TRANSTORNOS DO HUMOR – Transtorno Bipolar do Humor

Bipolar-disorder-389x296

A depressão e a doença bipolar (antiga psicose maníaco-depressiva) fazem parte dos Transtornos do Humor, que trazem importante prejuízo à vida do paciente, muitas vezes colocando-o em risco.

Transtorno Bipolar é uma enfermidade que se caracteriza pela alternância de episódios de euforia (mania) e episódios de depressão, com épocas de normalidade nos intervalos. Em geral, os episódios se repetem a intervalos menores com o passar dos anos, embora isso possa variar, existindo casos em que a pessoa tem apenas um episódio de mania ou de depressão.

Casos exclusivos de mania são muito raros. Episódios repetidos de depressão caracterizam a evolução unipolar (transtorno depressivo recorrente, depressão unipolar) e não são objetos deste manual.

O que é a Euforia - Toda a pessoa tem altos e baixos de humor. Sentimentos de alegria, felicidade e raiva, são parte essencial de vida.

Na euforia ou na mania o humor do indivíduo fica exaltado, “para cima”, com aumento de energia, de forma desproporcional ou sem relação com os eventos da vida. O indivíduo se irrita facilmente (tem “pavio curto”) e o fluxo das idéias está acelerado. Portanto o termo aqui utilizado não significa “mania de alguma coisa”. Pretende caracterizar o período do transtorno bipolar no qual a pessoa não está deprimida, nem alegre ou feliz por algum motivo, mas com euforia ou exaltação do humor.

A alegria ou a exaltação que as pessoas normalmente sentem não é tão duradoura, nem oferece riscos como a que ocorre no estado de euforia (mania), que pode durar, semanas, ou meses. Além disso, na mania acontece mudança importante no comportamento, saúde física e raciocínio. A família e as pessoas à volta percebem claramente as mudanças, em geral abruptas.

Como reconhecer o estado de euforia (mania) - O comportamento se altera por dias, semanas ou meses e a pessoa em geral não percebe que algo está errado. Atribui a mudança a fatores situacionais, opondo-se a argumentos médicos e familiares. O senso crítico e a capacidade de avaliação objetiva das coisas estão prejudicados ou ausentes.

Alguns sintomas mais importantes são:

  • Irritabilidade, impaciência, sensação de “pavio curto”;
  •  Pensamentos acelerados, fala rápida e contínua;
  • Crenças não realistas de aumento da capacidade e dos seus poderes, idéias de grandeza, aumento exagerado da auto-estima;
  • Sentimento desmedido de bem-estar, alegria ou raiva;
  • Sensações de poder, grandeza, riqueza, inteligência ou força exagerada;
  • Autoconfiança e otimismo exagerados;
  • Gastos excessivos, endividamentos;
  • Aumento significativo da disposição ou energia
  • Grande produtividade, ou começar muitas coisas simultaneamente (e não conseguir terminar);
  • Inquietação ou agitação física;
  • Desinibição exagerada, aumento do contato social, comportamento inadequado e provocativo ou mesmo ofensivo e agressivo;
  • Aumento da libido, erotização;
  • Insônia, redução da necessidade de dormir;
  • Pode haver delírios e/ou alucinações.

O que é a Hipomania - A hipomania é um estado de mania mais leve, pode predominar irritabilidade em vez de euforia. Em geral, a alteração do comportamento não traz tanto prejuízo porque a pessoa consegue controlar a aceleração física e mental.

Estados de hipomania podem durar poucos dias, semanas ou meses, e são bem mais comuns do que estados de mania. Freqüentemente a pessoa (e a família) não percebe estar diferente do que o habitual e acha que agora de fato se recuperou da depressão, ou que está passando por uma “fase boa” na sua vida.

Costuma sentir-se bem mais animado, até com menos horas de sono que o habitual, dando conta de mais tarefas e trabalhos. Surgem novos planos, rapidamente se fazem os contatos, aumentam os compromissos, os investimentos e possivelmente também as dívidas.

Os sentimentos variam desde uma grande segurança e certeza de saber tudo até um otimismo exagerado. Associam-se as sensações de energia e bem estar ou mesmo satisfação e alegria, às vezes imotivadas, que se alternam com irritabilidade com a “lerdeza” dos outros, desencadeada com os mínimos estímulos. Sente-se facilmente provocado, mas desafia aqueles com os quais convive. Muitas vezes a família não percebe e fica desgastada porque o diálogo se torna impossível. Em momentos de maior irritabilidade o paciente pode se tornar agressivo física ou verbalmente. Pode mais tarde cair em si e se desculpar, mas retorna ao comportamento anterior, gerando um círculo vicioso em que ele de fato parece estar alterado porque quer.

Em pacientes que já tiveram fases de depressão a passagem para a hipomania significa uma demora maior na recuperação em direção a novo período de estabilidade.

Riscos e Conseqüências da Euforia (Mania) - Pessoas com transtorno bipolar consultam em média três a quatro médicos e levam mais de 8 anos antes de receber o diagnóstico correto.

O reconhecimento precoce e a terapêutica adequada ajudam a evitar uma série de conseqüências, como suicídio (risco aumentado nas fases iniciais do transtorno), abuso de álcool ou drogas (em mais de 50% dos pacientes), maior dificuldade de tratamento (quanto mais períodos da doença, maior risco de novos períodos e dificuldade de melhorar) e tratamento incorreto ou parcial.

Em geral, a mudança do comportamento na euforia é súbita, mas o paciente não percebe sua alteração ou a atribui a algum fator situacional. A família costuma não entender porque está mudando. Antes mesmo do reconhecimento, freqüentemente já ocorreram gastos excessivos ou a pessoa se endividou, ou brigou com o cônjuge, amigos e estranhos, ou ainda comportou-se de modo indecoroso e inadequado. As conseqüências deste comportamento em casa, no trabalho ou na escola podem ser desastrosas e irreversíveis.

Devido aos sintomas de euforia, por exemplo, como falta de senso crítico, desinibição e hipersexualidade, energia e otimismo aumentado, a pessoa avalia a realidade de modo distorcido, achando sempre que tudo vai dar certo. O paciente não consegue controlar os impulsos e irrita-se toda vez que alguém o contraria. Além de se endividar e provocar brigas, durante um episódio maníaco a pessoa pode vir a colocar em risco ou destruir seu casamento, perder o emprego e os amigos, abandonar os estudos, comprometer sua reputação e credibilidade ou arruinar-se financeiramente. O tratamento precoce ajuda a manter a estabilidade no casamento e no trabalho.

Quanto mais precoce o início da mania, se na infância ou na adolescência, mais sérios os prejuízos pela ruptura na vida social e estudantil. Freqüentemente os adolescentes se engajam em comportamentos de risco (corridas de carro, esportes arriscados, sexo sem cuidados, etc), trocam o grupo de amigos e abusam de álcool ou drogas. Também correm riscos de suicídio. O tratamento precoce traz a estabilidade necessária para que recupere os estudos e resgate o relacionamento com as pessoas, bem como lhe oportuniza uma chance de independência financeira no futuro.

O que é a Depressão - A depressão é um estado de humor que dura pelo menos duas semanas em que o humor fica deprimido, melancólico, “para baixo”. O indivíduo sente angústia, ansiedade, desânimo e falta de energia. Também se sente apático, perde a motivação, tudo fica sem graça ou sem sentido, nada o satisfaz.

Torna-se negativista, preocupa-se com tudo. A depressão pode ser intermitente ou contínua, durar algumas horas do dia ou o dia inteiro, durar semanas, meses ou anos. O sofrimento costuma variar de intensidade ao longo do tempo. Não deve ser confundida com “fossa” ou “baixo astral”, que faz parte da vida psíquica normal.

Fonte: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo | Instituto de Psiquiatria | Programa Gruda  - http://www.progruda.com/

Esta entrada foi publicada em Depressão, Transtornos do Humor - Conceitos com as tags , , , , , . ligação permanente.

107 Respostas a TRANSTORNOS DO HUMOR – Transtorno Bipolar do Humor

  1. Marcos diz:

    Tenho 45 anos, meu humor sai de uma euforia para profunda depressão com pensamentos suicida-se e/ou sair andando pelo mundo, vida financeira destruída, dificuldade nas relações inclusive me separei. Persuasivo em minhas manias,consigo manipular situações, durmo pouco, faço terapia a um ano mas não vi resultados, não termino o que começo, tenho várias habilidades mas nenhuma eu consigo deslanchar. Sou irritado, sexualmente compulsivo, me arrisco em situações que depois geram culpas. Preciso de ajuda, cansado disso.

    • Equipe Abrata diz:

      Olá Marcos

      Consulte-se com um médico psiquiatra para que o profissional possa avaliar cuidadosamente os sintomas narrados em sua mensagem.
      Saiba que, se o diagnóstico for de Transtorno Bipolar, a doença pode ser tratada com sucesso por meio de medicamentos e, também,
      de psicoterapia.
      Abs.
      EQUIPE ABRATA

  2. Giovanna diz:

    Vim parar aqui por acaso e acho que me encontrei… Faz um mês que estou sendo acompanhada por uma psicóloga e estamos desenvolvendo algumas atividades e dinâmicas para ela me entender melhor. Não quero e nem acho correto chegar com um diagnóstico “pronto” para ela, feito por mim, que não tenho formação nenhuma na área, mas acredito que tenho transtorno de humor.

    Tudo é muito confuso na minha cabeça, mas tenho rompantes de raiva/ódio, tratando muito mal (com acidez, rispidez, grosseria…) pessoas que amo muito. Me pego pensando algumas vezes que não estou aonde eu gostaria (no relacionamento, vida profissional, etc.) e que eu deveria mudar tudo. E já o fiz algumas vezes. Por ora voltei atrás em algumas.

    Já fui casada e durante o relacionamento terminei com meu ex algumas vezes, ora por motivos palpáveis e reais, ora por mera vontade e por pensar em tantas coisas ruins que já havia passado com ele, excluindo totalmente os momentos bons, que foram muitos.

    No meu atual relacionamento me pego fazendo o mesmo. Estou em meu segundo casamento e já fui embora de casa algumas vezes, levando todas as minhas roupas. Mas algumas dessas vezes vou embora já querendo voltar. E fico muito p* da vida quando ele não vem me procurar, por mais que a errada da história seja eu.

    Fora isso, minha concentração é péssima, minha memória nem se fala, me sinto ansiosa, engordei 10kg no último ano e sinto vontade (e não fome) de comer o tempo inteiro. Além de sempre deixar pra depois o que eu posso fazer depois de amanhã…

    Não sei mais como me reencontrar com a Giovanna adolescente, tão certa do que queria, centrada, organizada… Me ajudem!!
    Comprei 3 livros do Augusto Cury (os 3 volumes de ‘ansiedade’) e o ‘Descubra seus pontos fortes’, este último recomendado a mim pela psicóloga. Sou impaciente, quero meu diagnóstico pra ontem, mas ao mesmo tempo sei que não é assim que as coisas funcionam… Preciso de ajuda!

    • Equipe Abrata diz:

      Prezada Giovanna

      A ABRATA tem como missão informar e educar a sociedade como um todo sobre os Transtornos Afetivos ou do Humor, como Transtorno
      Bipolar e Depressão.
      O nosso trabalho consiste em oferecer apoio psicossocial a familiares, amigos e portadores desse transtornos.
      Nos Grupos de Apoio Mútuo é realçada a importância do acompanhamento de psiquiatra para que avalie e diagnostique os sintomas
      apresentados pelos interessados. E reforçamos, ainda, que é fundamental aderir ao tratamento prescrito por profissional.
      Avalie a importância de ser consultada por um psiquiatra.
      Se quiser ler mais a respeito dos Transtornos Afetivos consulte o nosso site, blog e facebook.
      Fica por último a sugestão de manter a psicoterapia mas conquanto seja combinada com o tratamento medicamentoso, se for indicado.
      Abs.
      EQUIPE ABRATA

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


*

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>