TRANSTORNOS DO HUMOR – Transtorno Bipolar do Humor

Bipolar-disorder-389x296

A depressão e a doença bipolar (antiga psicose maníaco-depressiva) fazem parte dos Transtornos do Humor, que trazem importante prejuízo à vida do paciente, muitas vezes colocando-o em risco.

Transtorno Bipolar é uma enfermidade que se caracteriza pela alternância de episódios de euforia (mania) e episódios de depressão, com épocas de normalidade nos intervalos. Em geral, os episódios se repetem a intervalos menores com o passar dos anos, embora isso possa variar, existindo casos em que a pessoa tem apenas um episódio de mania ou de depressão.

Casos exclusivos de mania são muito raros. Episódios repetidos de depressão caracterizam a evolução unipolar (transtorno depressivo recorrente, depressão unipolar) e não são objetos deste manual.

O que é a Euforia - Toda a pessoa tem altos e baixos de humor. Sentimentos de alegria, felicidade e raiva, são parte essencial de vida.

Na euforia ou na mania o humor do indivíduo fica exaltado, “para cima”, com aumento de energia, de forma desproporcional ou sem relação com os eventos da vida. O indivíduo se irrita facilmente (tem “pavio curto”) e o fluxo das idéias está acelerado. Portanto o termo aqui utilizado não significa “mania de alguma coisa”. Pretende caracterizar o período do transtorno bipolar no qual a pessoa não está deprimida, nem alegre ou feliz por algum motivo, mas com euforia ou exaltação do humor.

A alegria ou a exaltação que as pessoas normalmente sentem não é tão duradoura, nem oferece riscos como a que ocorre no estado de euforia (mania), que pode durar, semanas, ou meses. Além disso, na mania acontece mudança importante no comportamento, saúde física e raciocínio. A família e as pessoas à volta percebem claramente as mudanças, em geral abruptas.

Como reconhecer o estado de euforia (mania) - O comportamento se altera por dias, semanas ou meses e a pessoa em geral não percebe que algo está errado. Atribui a mudança a fatores situacionais, opondo-se a argumentos médicos e familiares. O senso crítico e a capacidade de avaliação objetiva das coisas estão prejudicados ou ausentes.

Alguns sintomas mais importantes são:

  • Irritabilidade, impaciência, sensação de “pavio curto”;
  •  Pensamentos acelerados, fala rápida e contínua;
  • Crenças não realistas de aumento da capacidade e dos seus poderes, idéias de grandeza, aumento exagerado da auto-estima;
  • Sentimento desmedido de bem-estar, alegria ou raiva;
  • Sensações de poder, grandeza, riqueza, inteligência ou força exagerada;
  • Autoconfiança e otimismo exagerados;
  • Gastos excessivos, endividamentos;
  • Aumento significativo da disposição ou energia
  • Grande produtividade, ou começar muitas coisas simultaneamente (e não conseguir terminar);
  • Inquietação ou agitação física;
  • Desinibição exagerada, aumento do contato social, comportamento inadequado e provocativo ou mesmo ofensivo e agressivo;
  • Aumento da libido, erotização;
  • Insônia, redução da necessidade de dormir;
  • Pode haver delírios e/ou alucinações.

O que é a Hipomania - A hipomania é um estado de mania mais leve, pode predominar irritabilidade em vez de euforia. Em geral, a alteração do comportamento não traz tanto prejuízo porque a pessoa consegue controlar a aceleração física e mental.

Estados de hipomania podem durar poucos dias, semanas ou meses, e são bem mais comuns do que estados de mania. Freqüentemente a pessoa (e a família) não percebe estar diferente do que o habitual e acha que agora de fato se recuperou da depressão, ou que está passando por uma “fase boa” na sua vida.

Costuma sentir-se bem mais animado, até com menos horas de sono que o habitual, dando conta de mais tarefas e trabalhos. Surgem novos planos, rapidamente se fazem os contatos, aumentam os compromissos, os investimentos e possivelmente também as dívidas.

Os sentimentos variam desde uma grande segurança e certeza de saber tudo até um otimismo exagerado. Associam-se as sensações de energia e bem estar ou mesmo satisfação e alegria, às vezes imotivadas, que se alternam com irritabilidade com a “lerdeza” dos outros, desencadeada com os mínimos estímulos. Sente-se facilmente provocado, mas desafia aqueles com os quais convive. Muitas vezes a família não percebe e fica desgastada porque o diálogo se torna impossível. Em momentos de maior irritabilidade o paciente pode se tornar agressivo física ou verbalmente. Pode mais tarde cair em si e se desculpar, mas retorna ao comportamento anterior, gerando um círculo vicioso em que ele de fato parece estar alterado porque quer.

Em pacientes que já tiveram fases de depressão a passagem para a hipomania significa uma demora maior na recuperação em direção a novo período de estabilidade.

Riscos e Conseqüências da Euforia (Mania) - Pessoas com transtorno bipolar consultam em média três a quatro médicos e levam mais de 8 anos antes de receber o diagnóstico correto.

O reconhecimento precoce e a terapêutica adequada ajudam a evitar uma série de conseqüências, como suicídio (risco aumentado nas fases iniciais do transtorno), abuso de álcool ou drogas (em mais de 50% dos pacientes), maior dificuldade de tratamento (quanto mais períodos da doença, maior risco de novos períodos e dificuldade de melhorar) e tratamento incorreto ou parcial.

Em geral, a mudança do comportamento na euforia é súbita, mas o paciente não percebe sua alteração ou a atribui a algum fator situacional. A família costuma não entender porque está mudando. Antes mesmo do reconhecimento, freqüentemente já ocorreram gastos excessivos ou a pessoa se endividou, ou brigou com o cônjuge, amigos e estranhos, ou ainda comportou-se de modo indecoroso e inadequado. As conseqüências deste comportamento em casa, no trabalho ou na escola podem ser desastrosas e irreversíveis.

Devido aos sintomas de euforia, por exemplo, como falta de senso crítico, desinibição e hipersexualidade, energia e otimismo aumentado, a pessoa avalia a realidade de modo distorcido, achando sempre que tudo vai dar certo. O paciente não consegue controlar os impulsos e irrita-se toda vez que alguém o contraria. Além de se endividar e provocar brigas, durante um episódio maníaco a pessoa pode vir a colocar em risco ou destruir seu casamento, perder o emprego e os amigos, abandonar os estudos, comprometer sua reputação e credibilidade ou arruinar-se financeiramente. O tratamento precoce ajuda a manter a estabilidade no casamento e no trabalho.

Quanto mais precoce o início da mania, se na infância ou na adolescência, mais sérios os prejuízos pela ruptura na vida social e estudantil. Freqüentemente os adolescentes se engajam em comportamentos de risco (corridas de carro, esportes arriscados, sexo sem cuidados, etc), trocam o grupo de amigos e abusam de álcool ou drogas. Também correm riscos de suicídio. O tratamento precoce traz a estabilidade necessária para que recupere os estudos e resgate o relacionamento com as pessoas, bem como lhe oportuniza uma chance de independência financeira no futuro.

O que é a Depressão - A depressão é um estado de humor que dura pelo menos duas semanas em que o humor fica deprimido, melancólico, “para baixo”. O indivíduo sente angústia, ansiedade, desânimo e falta de energia. Também se sente apático, perde a motivação, tudo fica sem graça ou sem sentido, nada o satisfaz.

Torna-se negativista, preocupa-se com tudo. A depressão pode ser intermitente ou contínua, durar algumas horas do dia ou o dia inteiro, durar semanas, meses ou anos. O sofrimento costuma variar de intensidade ao longo do tempo. Não deve ser confundida com “fossa” ou “baixo astral”, que faz parte da vida psíquica normal.

Fonte: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo | Instituto de Psiquiatria | Programa Gruda  - http://www.progruda.com/

Esta entrada foi publicada em Depressão, Transtornos do Humor - Conceitos com as tags , , , , , . ligação permanente.

91 Respostas a TRANSTORNOS DO HUMOR – Transtorno Bipolar do Humor

  1. Dalvanir diz:

    Procurei sobre me irritar facilmente e encontrei tudo o que sinto. Gostaria de saber se mesmo tomando medicamentos posso levar vida normal , trabalhar e estudar ou tenho que mudar toda minha rotina. Com certeza tenho essa doença, fiquei triste porque gosto de estar na ativa , mas estou em um momento também que não tenho mais para onde ir, preciso de socorrooooo.

    • Equipe Abrata diz:

      Olá Dalvanir.

      Antes de sofrer por antecipação, procure um psiquiatra para saber ao certo se as características que você apresentar são ou
      não próprias do transtorno bipolar.
      E caso o diagnóstico se confirme, saiba que é uma doença tratável. Quando o portador faz o tratamento medicamentoso à risca
      e o combina com psicoterapia, poderá levar uma vida normal, produtiva e com qualidade.
      Procure informar-se, também, pelas matérias publicadas no nosso site, blog e facebook.
      Boa sorte!

      Um abraço
      Equipe ABRATA

  2. Victor diz:

    Olá,

    1. Existe alguma forma de diagnóstico do transtorno bipolar, como exame médico, teste psicológico ou avaliação psiquiátrica ou psicológica?

    2. Onde encontro psiquiatras e psicólogos especialistas em transtorno bipolar na cidade de São Paulo?

    3. Quantos meses ou anos dura o tratamento?

    4. Tem cura?

    5. Além da medicação e psicoterapia, o que mais pode ajudar a minimizar os sintomas? Ex: alimentação, exercício físico, convívio social, mindfulness, yoga, relaxamento, acupuntura?

    Muito obrigado,

    Victor.

    • Equipe Abrata diz:

      Prezado Victor,
      1) O diagnóstico do transtorno bipolar continua sendo exclusivamente clínico e baseado na entrevista psiquiátrica. Nessa entrevista, são avaliados os sintomas e sinais atuais do paciente, sua história de vida, a história das crises com seus respectivos sintomas, duração e intensidade deles, a presença de doenças associadas, a presença de casos de doença mental na família, a história de tratamentos anteriores,etc. Não existem ainda exames clínicos, laboratoriais, de imagem ou testes psicológicos que sirvam para fazer esse diagnóstico, embora possam ser utilizados para diagnosticar outros problemas associados ao quadro.
      2) Não existe formalmente a especialidade em transtorno bipolar. O que você pode fazer é verificar o curriculum do profissional e verificar se ele é um profissional que busca se atualizar, se participa de congressos, se faz cursos de atualização em transtorno bipolar, ou se participa de grupos especializados que trabalham com essa doença (por exemplo, grupos de estudos dentro de universidades, ou associações de portadores). Mas isso não quer dizer que profissionais bem formados e que não se declarem especialistas nesta ou naquela doença não saibam ministrar um bom tratamento. É importante dizer que o portador e sua família têm uma participação ativa no tratamento e devem também conversar com o profissional e acompanhar suas condutas solicitando esclarecimentos e a fundamentação sobre as mesmas.
      3 e 4) O transtorno bipolar não tem cura, mas tem controle e seu tratamento deve ser mantido ao longo da vida, sendo indispensável um acompanhamento psiquiátrico continuado para controle e ajustes (como se faz com todas as doenças crônicas).
      5) Ótima pergunta. Embora a medicação e psicoterapia sejam prioritárias, é imprescindível que o portador conheça a doença e promova mudanças no estilo de vida para ficar mais protegido contra os fatores desencadeantes. Isso inclui construir e manter uma rotina de sono, de alimentação, de atividades sociais, profissionais e de atividades físicas para desenvolver regularidade de vida (que está praticamente ausente nos bipolares). Outra coisa importante é participar de encontros psicoeducacionais para aprender sobre a doença e tirar dúvidas e participar de grupos de apoio mútuo, que contribuem para aprimorar formas de lidar com as dificuldades da doença.

      Um abraço,
      Equipe ABRATA

  3. Rosa Melo diz:

    Sou casada há 30 anos com uma pessoa que hoje tem 55 anos e por volta dos 40 começou a ter episódios de euforia alternados com melancolia.Há seis anos atrás ele sofreu um grave acidente e quase vem a óbito,pois estava na crise e fez atividades de risco.Fez muitos gastos e ficou endividado apesar de ter uma renda muito boa.O estado de euforia é intenso e o de melancolia comparativamente é leve.Acredito que ele não desenvolve este outro estado por ter uma vida estruturada com um bom emprego estável e a família organizada,venho tentando atravessar este turbilhão de emoções ao seu lado. No último episódio de euforia ele queria deixar a família, falou que eu tinha sido uma escolha há muito tempo e hoje achava que não seria esta escolha, tenho a intuição que se envolveu com alguém, ele fica desinibido, conquistador e inconsequente.Foi tudo muito difícil.Ele tem um um psiquiatra que o acompanha há aproximadadamente 6 anos mas nas consultas ele sempre está centrado e o psiquiatra não valoriza muito o meu relato, apesar de medicá-lo com carbolitium.Precisei levar minha filha para confirmar o que passamos e como ela possuía um filme gravado no celular mostrando-o no estado eufórico, ele passou a se referir a ele como doente.Disse que eu não apertasse muito a corda pq ele poderia sair de casa num rompante e depois se arrepender.Até hoje não tive coragem de falar tudo para o médico, fico sem coragem , e fico inibida de elencar tudo que acontece, preservando a imagem dele.Tenho vontade de ir só, para falar abertamente das atitudes que ele tem tomado nos últimos episódios.Enfim, esta instabilidade está me afetando e não estou sabendo lidar com este turbilhão de emoções, qdo começo a sentir que ele está entrando na euforia fico desesperada, nervosa e qdo ele deprime estou deprimindo tbém pois a insegurança está me consumindo, fico achando que ele não gosta mais de mim, que devo desistir etc. Help!!!

    • Equipe Abrata diz:

      Cara Rosa.
      Agradecemos a sua mensagem.
      Os transtorno do humor – depressão e transtorno bipolar podem afetar os relacionamentos em geral. É bem por isso que
      a combinação do tratamento medicamentoso com psicoterapia ser indicada amiúde pelos profissionais.
      Sugerimos que você procure um psiquiatra em caso de depressão e faça psicoterapia.
      A psicoterapia é um momento destinado para ajuda psicológica a fim de causar bem estar a quem a procura.
      E leia o Guia para Cuidadores de Pessoa com Transtorno Bipolar que pode ser baixado no site: http://www.abrata.org.br/new/folder.aspx

      Um abraço
      Equipe ABRATA

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


*

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>