Assim aprendi a sobreviver após o suicídio do meu filho

1465315526_363329_1465316499_noticia_normal

Muitos de nós conseguimos nos lembrar deles pela vida que tiveram, e não pela forma como morreram

Num dia de final de inverno, desses em que se sente o primeiro calor da primavera que se aproxima, rompeu-se a minha história pessoal, a minha vida.

Meu marido, ao telefone, queria saber se eu tinha notícias do nosso filho Miquel. Essa ligação me fez prever o pior, sem saber por quê. Era muito estranho que tivesse ido a algum lugar sem nos avisar. Corremos ao local onde uma amiga o tinha visto pela última vez. O inexplicável mau presságio que nublou minha mente se cumpriu. Miquel tinha 19 anos e morreu por suicídio de uma forma totalmente inesperada, sem que tivesse havido avisos prévios.

A morte por suicídio do meu filho faz parte dessa pequena percentagem que é inexplicável. Um ato impulsivo, sem nenhum transtorno mental grave que o alertasse, nenhuma ameaça ou insinuação. Era um menino saudável que levava uma vida normal.

Desde esse dia há um antes e um depois na minha vida, e é literal.

Quando quero explicar isso em minhas palestras recorro à imagem das torres gêmeas derrubadas no atentado do 11 de Setembro, um verdadeiro marco zero na sua biografia. Você não sabe como vai ressurgir dessa dor tão profunda, de tanta impotência, confusão, desorientação e do eterno “por quê?”. Essa interminável pergunta que nos acompanha durante o longo tempo do luto.

O suicídio sempre é algo que ocorre com os outros, fora da sua casa, da sua família. Você nunca o contempla, porque considera que sua vida e tudo que a cerca é normal. Mas é que o suicídio pode ocorrer dentro da normalidade de uma família. Só que isto não é sabido até que lhe ocorra, e então, quando se rompe o tabu que cerca esta forma de morrer, você conhece outros casos.

O que leva uma pessoa a viver uma situação normal como algo excepcional, insolúvel e cheia de desespero? O que leva uma pessoa a esse não poder mais com a vida? Não sei nem acredito que consigamos algum dia saber, as respostas eles levam, meu filho levou.

Você nunca está preparada para a morte do seu filho, menos ainda para viver sua morte por suicídio, e tampouco está preparada para como vão tratá-la a partir desse momento. Fazem você se sentir suspeita, culpada, algo terá feito de errado para ter chegado a esta situação, não é? A sociedade lhe interroga, questiona.

Tampouco ajudaram os procedimentos da polícia no local da morte: custodiados por policiais à paisana, fiquei sentada no chão durante horas, chorando, esperando que tudo fosse um equívoco de mau gosto do destino. Durante todo esse interminável tempo, um funcionário do local, amável, me ofereceu água, um ato de solidariedade humana que lembro e agradeço ainda hoje. Há uma tendência a dar calmantes nestas situações, mas o psicólogo de atendimento emergencial que chegou disse que não, que nosso estado era de dor e deveria ser sentido “a seco”. Pediu à nossa família que respeitassem a maneira como sentíamos a dor e, sobretudo, que nos dessem água, em pequenos goles, e nos forçassem a comer um pouco. A casa se encheu, temos uma família extensa, que foi se revezando para que sempre tivéssemos apoio. É essencial esse suporte familiar, de nossos amigos e dos de Miquel.

O período seguinte da minha vida foi estar em estado de choque. Nos dois anos seguintes, não sei como sobrevivi, nem como vivi. A vida é, além do mais, tremendamente caprichosa. Você está num processo de luto muito duro, onde parece que tudo parou, mas as coisas continuam acontecendo na vida, ela não lhe dá trégua. Com esforço sobre-humano, reassumi uma semana depois meu posto de trabalho como diretora de uma empresa de pesquisas. Agora, com a perspectiva do tempo, acho que foi um erro no meu caso. As crianças, sim, precisam voltar à rotina, mas os adultos devem dar um tempo para se adaptar a situações tão trágicas, para se permitir parar. No fundo, eu queria procurar e reconhecer um pouco de normalidade dentro do caos da excepcional e traumática experiência vivida.

Meu longo período de luto me ensinou que as emoções, sensações e pensamentos devem ser vividos, sem filtros. Morre a pessoa que você mais ama, a que você melhor conhece, mas quando ela faz algo assim essa conduta a devolve como se fosse um completo desconhecido. Você se pergunta como pôde dar esse passo, como pôde fazer isso com você e romper o vínculo que os unia. Você se sente abandonada, porque a pessoa tomou uma decisão unilateral, sem contar com você.

E a culpa. Ser psicóloga não me ajudou em nada, pelo contrário. Relia obsessivamente os manuais de psicopatologia, mas não encontrava nada, não havia nada do meu filho nesses livros. Recriminava-me por não ter visto nele um gesto que me alertasse. Alguns colegas psicólogos e os amigos de meu filho, que nos conheciam muito bem, salvaram-me desse rumo. Miquel faz parte desses 10% em que não há nenhum fator de risco que fizesse prever o suicídio.

A culpabilidade é uma dura carga que você precisa carregar durante um tempo, precisa trabalhá-la para que seja reparadora e nos ajude a chegar ao perdão. Há outra culpa, entretanto, a culpa inflexível e obsessiva, que é muito tóxica, perigosa e pode levar a condutas autodestrutivas nas pessoas que vivemos a morte por suicídio. A fronteira entre uma e outra pode ser tremendamente tênue, e por isso precisamos de ajuda, que não se encontra facilmente.

Quantos planos de formação em saúde mental contemplam a abordagem da morte por suicídio e suas consequências?

O ser humano é muito complexo, e nunca há um culpado direto, existem muitos fatores que entram em jogo para que uma pessoa dê esse último passo. Ninguém jamais é a única influência na decisão dessa pessoa. Isto e muito mais aprendi com a doutora Carmen Tejedor.

Meu marido e eu tivemos a sorte de conhecer Carmen Tejedor, psiquiatra do Hospital Sant Pau (Barcelona), com mais de 30 anos de experiência em suicídios, que nos recebeu, agora já aposentada.

Embora a doutora não conhecesse Miquel, nos falou com convicção, tentando nos dar consolo sincero, mas, com a verdade da realidade, nos ajudando a entender a situação vivida por pessoas que morrem por suicídio: queriam viver a vida de outra maneira, sem o sofrimento extremo que as levam a morrer, porque no fundo não querem morrer, apenas deixar de sofrer a desesperança vital que sentem. As pessoas que morrem por suicídio não têm liberdade, porque não podem escolher. Se pudessem escolheriam viver a vida, mas sem sofrer. Essa é a grande diferença. Pessoalmente, estas palavras me ajudaram a compreender essa situação que nunca na vida eu havia previsto para meu filho.

A doutora Tejedor nos incentivou, a meu marido e a mim, a criar uma associação para acompanhar os sobreviventes da morte por suicídio no processo de luto, porque, por incrível que pareça, em 2010 não havia nenhuma associação desse tipo na Espanha. Ainda estava trabalhando no meu próprio luto quando registramos os estatutos da entidade, em 2012. Não somos apenas pais. Os sobreviventes da morte por suicídio são também filhos, irmãos, amigos, cônjuges, todos com histórias muito diferentes. Chamamo-nos de sobreviventes porque a vivência é tão traumática que o estresse vivido é comparável ao decorrente de uma vivência similar em um campo de concentração ou situação bélica, segundo a Associação Americana de Psiquiatria. Agora, você só sobrevive com a carga pesada das perguntas que se faz obsessivamente sobre por que não conseguiu evitar.

Na ONG Depois do Suicídio – Associação de Sobreviventes (DSAS) damos acolhida individual a quem precisa conversar, oferecemos grupos de apoio ao luto para poder falar e compartilhar. Precisei falar do que tinha vivido, e essa necessidade é comum na maioria dos sobreviventes. Trabalhamos com os meios de comunicação para conscientizar sobre como informar sobre o assunto. Conseguimos alterar o protocolo dos Mossos d’Esquadra (polícia regional catalã), que agora nas situações de morte por suicídio dão apoio e oferecem o nosso contato. E estamos colaborando com outras instituições para que a morte por suicídio, que é a primeira causa de morte não natural na Espanha, tenha um plano nacional de prevenção, até agora inexplicavelmente inexistente. Além disso, reivindicamos um apoio profissional específico para as pessoas que ficam com este pesado fardo, ao qual temos direito sem que nos julguem por isso.

A associação DSAS é a única ONG espanhola, até o momento, constituída por e para sobreviventes, e existe graças a grandes pessoas, que forma uma grande equipe com um compromisso de oferecer nossa ajuda solidária e altruísta.

Para os sobreviventes que viveram uma morte por suicídio, minha mensagem é que agora já não estão sozinhos. Essa é uma das terríveis primeiras sensações que se sente e se pensa.

Muita gente me pergunta o que pode fazer para que não seja tão doloroso. Minha resposta é que deve-se passar por isso tal qual, não há atalhos. O caminho do luto por suicídio é possivelmente mais longo e o mais complexo de viver.

É necessário que as pessoas se permitam e atendam às suas necessidades. Se é preciso chorar um dia, que se chore, é muito terapêutico, não é sinal de fraqueza. Se outro dia é preciso gritar, que se grite. Escrever também é muito positivo e recomendável, assim como todos os pequenos rituais dos quais necessitamos.

Embora a dor e a incompreensão do vivido nos destruam por dentro, sobrevive-se. Não sei como consegui, sobretudo nos dois primeiros anos, mas avancei. Talvez seja questão de não olhar para além deste dia, não fazer grandes projetos. Sobreviver a pequenos passos, dia a dia.

É possível conseguir isso tendo muita paciência consigo mesmo. Cada um encontra seu espaço e seu caminho de como fazê-lo, e não nego que exige muito esforço. Mas somos muitas as pessoas que podemos chegar a voltar a viver porque encontramos um “para que” ou um “por quem” prosseguir, lembrando-nos deles pela vida que tiveram, e não pela forma como morreram.

Cecilia Borràs é presidenta da Depois do Suicídio – Associação de Sobreviventes.

Fonte: http://brasil.elpais.com/brasil/2016/06/07/estilo/1465315526_363329.html

Esta entrada foi publicada em Comportamento, DEPOIMENTO, Sofrimento, suicídio com as tags , , . ligação permanente.

6 Respostas a Assim aprendi a sobreviver após o suicídio do meu filho

  1. Erí Silveira Campos diz:

    Boa noite!
    Sei que vocês tratam do pós suicídio, porém estamos enfrentando um caso na família, de várias tentativas de suicídio, ainda não ocorreu, mas a qualquer momento pode acontecer, a paciente, médica, com 49 anos, estamos quase perdendo essa luta… ela não está mais conosco… pra nós é como se ela tivesse morrido… é inacreditável…!!! estamos sem ter o que fazer… à quem recorrer… não sabia da existência desta associação, por favor, precisamos de ajuda…!!!
    Não sei se posso contar a História aqui…

    Abraços

    • Equipe Abrata diz:

      Olá Eri

      Obrigada por entrar em contato conosco. O seu relato traz sentimentos muito difíceis de lidar além de muitos sofridos para todos: a família e a pessoa com pensamentos suicidas. Jamis percam a esperança, isso é essencial, apesar de todas as dores, medos, sofrimentos e sentimentos de impotência que abate neste momentos.
      Convidamos vcs para participarem dos grupos de apoio aos familiares da ABRATA. Eles acontecem na terça, quinta e sábado. Faça a sua inscrição, primeiro para o Grupo de Acolhimento pelo telefone (11) 3256-4831 de 2ª a 6ª feira das, 13h30 às 17h.
      No site vc também poderá baixar o livro em PDF – Guia para cuidadores de pessoas com transtorno bipolar. Além de informações sobre a doença e traz muitas dicas sobre como lidar com o portador em diversas situações. Link: http://www.abrata.org.br/new/folder.aspx
      Outro local que a família poderá buscar apoio será o CVV – Centro de Valorização da Vida. Ligue no 141. Sempre encontrará alguém do outro lado da linha para conversar e dar apoio.
      Sinta-se a vontade para contar a história nesta local ou via o Fale Conosco : contato@abra.org.br, que receberá uma resposta exclusiva a vc.
      Abraços
      Equipe ABRATA

  2. marilia fontes diz:

    Tenho uma amiguinha bipolar de 13 anos. Queria saber se existe, no Rio de Janeiro, Barra da Tijuca, algum local que aconteça reuniões com adolescentes bipolares.

    • Equipe Abrata diz:

      Prezada Marília

      No Rj indicamos o Grupo GabRio. Entre em contato com eles.
      GabRio Esse grupo é dedicado a pacientes, pais, familiares e amigos, profissionais das áreas de saúde e a todos que se interessarem em saber mais sobre o Transtorno de Humor Bipolar.
      Mais informações: (21) 2576- 5198
      Av 28 de Setembro, 389 – Sétimo Andar – Auditório. Ed. Vila Trade Center –
      Vila Isabel – RJ
      Abraços
      Equipe ABRATA

  3. Sueli diz:

    Boa Noite. Me chamo Sueli,faço tratamento de transtorno bipolar há 17 anos, hoje tenho 35 anos, passei por 2 surtos de mania e 2 surtos de depressão profunda acompanhada, no surto inicial com 18 anos, por uma anorexia no qual cheguei a pesar 35 kg. A maioria das pessoas, parentes e amigos não acreditavam em minha recuperação, porém meus pais, mesmo sendo pessoas muito simples, acataram todos os cuidados que o psiquiatra pediu em relação a medicação e psicoterapia, não precisei de internação, foi um ano de tratamento super intensivo muitas medicações e terapia 2x por semana, nada fácil, porém depois foi fazer manutenção e ate hoje tomo olanzapina, tomo estabilizador de humor e antidepressivo, pois gosto muito de ler, de me sentir produtiva. Desde criança sempre tive amor ao conhecimento, graças a Deus, aos meus pais, ao tratamento medicamentoso e à terapia fiz faculdade, trabalhei em duas empresas de grande porte, consigo ter uma vida social,vem os momentos de recada, e bem difícil controlar e uma exigência emocional muito grande não estar num dos extremos, porém e preciso ter coragem, alegria para lidar com a situação. Hoje sou casada, não tenho filhos, porém vejo essa experiencia com a bipolaridade algo complicado porém necessário pois aprendi coisas boas, não somente experiências ruins, pois pra mim o maior ensinamento é a sensibilidade que adquiri em lidar bem com a dor e as limitações do próximo, e quanto e importante valorizar todas as pessoas sem discriminação. Um grande abraço, gostaria muito de participar de um grupo de terapia.

    • Equipe Abrata diz:

      Querida Sueli.

      O seu depoimento enche-nos de orgulho!
      Você demonstra que teve a capacidade de aceitar a doença, de aderir ao tratamento e de fazer a devida manutenção, ao
      mesmo tempo em que procurou combinar o tratamento medicamentoso com a psicoterapia.
      Essa é a fórmula do sucesso.

      Bem, a ABRATA não oferece tratamento psiquiátrico nem psicológico.
      As suas atividades são voltadas ao apoio psicossocial a pessoas com transtorno bipolar e depressão, bem como a seus
      familiares e amigos.

      Se você residir na cidade de São Paulo ou na cidade de Santos, telefone para (11) 3256-4831, de 2ª a 6ª feira, das
      13h30 às 17h e faça a sua inscrição para o Grupo de Acolhimento e Integração. Nessa reunião você conhecerá as
      atividades da ABRATA e poderá participar do Grupo de Apoio Mútuo para pessoas com transtorno bipolar e depressão.
      Para frequentar o grupo em Santos, escreva um e-mail para: comunicacao@abrata.org.br.

      Abs.
      Equipe ABRATA.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


*

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>