TRANSTORNO BIPOLAR, DOENÇA MENTAL GRAVE, OCORRE MAIS NO ADULTO JOVEM

CONHECIDO DESDE A GRÉCIA ANTIGA, O TRANSTORNO BIPOLAR SE CARACTERIZA POR INSTABILIDADE DO HUMOR EM DOIS POLOS, ORA AGITAÇÃO E EUFORIA, ORA TRISTEZA E DEPRESSÃO. É MAIS COMUM DOS 20 AOS 25 ANOS E DOS 30 AOS 35.

images (89)

O transtorno bipolar é uma doença psiquiátrica crônica que se caracteriza por instabilidade de humor em dois polos extremos, ou seja, ora o portador está agitado e eufórico, se achando o maior do mundo, ora triste e depressivo. Ele pode se manifestar em qualquer pessoa a partir da adolescência, mas é mais comum dos 20 aos 25 anos e dos 30 aos 35 anos. É raro em crianças e idosos.

A doença ocorre em pessoas de todas as condições sociais. Não se sabe o que a causa. Pensasse que possa ser genética. Mas se sabe que apresenta traços familiares, ou seja, pessoas com histórico do transtorno na família estão mais suscetíveis.

Existem dois tipos da doença, o 1 e o 2, além de variações pouco definidas. O tipo 1 manifesta-se em cerca de 1% da população, enquanto o tipo 2 ocorre em 3% a 8%. Diz-se que uma pessoa é portadora do tipo 1 quando tem um período de euforia mais longo com sintomas mais fortes e períodos claros de depressão; de outro lado, diz-se que alguém é portador do tipo 2 quando seu período de depressão é mais longo com sintomas intensos e seu período de euforia mais curto com sintomas leves. Portadores às vezes vivem períodos de normalidade, ou de aparente normalidade, mas, aos poucos, vão se tornando mais próximas as alternâncias de euforia e depressão.

Sintomas da fase eufórica ou maníaca são: agitação e irritação; agressividade e hostilidade; pensamento e fala rápidos; eficiência demais; falar e/ou fazer as coisas sem medir as consequências; facilidade para se distrair; desejo ou envolvimento de fato em vários projetos ao mesmo tempo; insônia ou pouca necessidade de sono; comportamentos impulsivos e de risco, como praticar sexo sem preservativo e até enfrentar a polícia.

Alguns sintomas da fase depressiva são: desânimo; falta de eficiência; tristeza profunda; sensação de vazio; falta de interesse pela alimentação; perda de interesse por atividades ou assuntos de que gostava; sensação de cansaço; e pensamentos suicidas e de morte. Cerca de 15% dos portadores que não se tratam tentam o suicídio, índice que cai para menos de 2% entre os que fazem tratamento.

As consequências da doença são terríveis. Os portadores, na fase da euforia, compram de tudo e acabam endividados ou criando dívidas para a família. Perdem bens. Enfrentam as pessoas e até policiais. Ficam malvistos e têm dificuldade para viver em sociedade, encontrar e/ou manter trabalho e parceiros amorosos. Na fase de depressão, enfrentam muitos dos mesmos problemas. E ficam mais suscetíveis a doenças e/ou ao agravamento das que têm. Acabam sozinhos e o quadro se agrava. É aí que muitos tentam o suicídio.

Pessoas com sintomas devem ser levadas a um psiquiatra. O diagnóstico é clínico. É fundamental a participação de familiares e/ou de amigos, porque os doentes, em especial na fase de euforia, não se reconhecem como tal. O psiquiatra precisa ser cuidadoso, claro, porque o transtorno pode ser confundido com depressão clínica unipolar. O tratamento é feito com remédios, que objetivam, de início, retirar o paciente da crise e, depois, equilibrar o quadro, evitando tanto a euforia como a depressão. O tratamento, em boa parte dos casos, dá melhor qualidade de vida aos portadores.

Autor: Dr Teng Chei Tung

Sobre o autor: Médico Psiquiatra, membro do Conselho Científico da ABRATA

#Artigo publicado pela Revista Caras, Edição 09 de maio de 2013.

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

129 Respostas a TRANSTORNO BIPOLAR, DOENÇA MENTAL GRAVE, OCORRE MAIS NO ADULTO JOVEM

  1. Rodrigo diz:

    Olá! Bom dia, convivo com uma pessoa há mais ou menos 6 anos, e nesse período ela terminou diversas vezes, sempre alegando de que ñ estava feliz e que ñ gostava mais, até então tudo bem. Porém todas as vezes ela depois de alguns meses me procurava e como se nada estivesse acontecido pedia pra retomar o relacionamentos, dizia que ñ sabia viver sem mim, e que gosta muito. O mais impressionante é que, é sempre na mesma época do ano, até o período de término e de reconciliação é praticamente o mesmo, variando de 4 à 5 meses. O pai dela tem problemas psicológicos, então sempre que tento falar com ela a respeito do transtorno bipolar ela fica muito agressiva, dizendo que ñ tem problema nenhum e que ñ é igual ao pai. Ela agora esta afastada de mim, andei lendo a respeito do transtorno bipolar desde a ultima vez que nos afastamos, que foi a exatos 1 ano atras, pois nesse periodo ela mudou completamente, começou até a frequentar a religião evangélica, mudando completamente e se afastando de tudo que ñ fosse relacionado. observei na última vez que nos falamos ,q ela ñ está prestando atenção no que eu falava, muitas vezes me interrompendo com um assunto q ñ tem nada a vê. Tendo em vista tudo que relatei queria saber se essa pessoa pode sofrer de transtorno bipolar

    • Equipe Abrata diz:

      Olá Rodrigo.

      Somente um médico psiquiatra pode diagnosticar se a pessoa é ou não portadora de transtorno mental.
      Louvamos o seu interesse em querer ajudá-la mas a iniciativa depende exclusivamente dela.
      Um abraço
      Equipe ABRATA

  2. Renata diz:

    Tenho esses sintomas desde adolescente, em 2015 tentei suicídio, quase morri, fiquei dias na UTI, estava grávida de meu quarto filho, desesperada, não queria mais viver, só cometia erros, sentia-me vazia, como se algo me faltasse e embora minhas buscas constantes tudo o que eu conseguia era sentir-me suja, usada, porca.Enfim
    Hoje estou aqui, realizei meu supo

    • Equipe Abrata diz:

      Prezada Renata.
      Agradecemos a sua mensagem.
      Muito embora você não tenha concluído a sua narrativa, podemos sugerir que procure ajuda médica.
      Uma consulta com psiquiatra poderá diagnosticá-la e auxiliá-la com o devido tratamento.
      Cuide-se, está bem?

      Um abraço
      Equipe ABRATA

  3. Angela diz:

    Boa noite,
    Já passei por duas crises maníacas e nenhuma depressiva, nunca tive qualquer resquício de sintoma depressivo. Existe bipolaridade com apenas sintomas de aceleração do pensamento e consequente dificuldade na concatenação de ideias ou seria uma outra doença psiquiátrica?

    • Equipe Abrata diz:

      Prezada Angela,
      De fato, embora não seja frequente, existem pessoas que apresentam apenas episódios de mania (ou hipomania) ao longo da vida. Esse quadro é chamado de mania unipolar ou mania recorrente e seu diagnóstico é controverso. É considerado um subtipo do transtorno bipolar, embora alguns pesquisadores questionem se não teria havido algum episódio depressivo leve, que não foi identificado ou se não haverá depressão no futuro.
      Um abraço,
      Equipe ABRATA

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


*

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>