4º Concurso Internacional de Redação para Estudantes do Ensino Médio

ISBF

O Concurso Internacional de Redação para Estudantes do Ensino Médio com o objetivo de apagar o estigma associado à doença mental através da educação está aberto!

Até  25/04/2014

O Concurso é parte da missão da International Bipolar Foundation e está aberto à todos os estudantes do ensino médio.

“Nossa esperança”, diz o sr. Walker, presidente e cofundador da International Bipolar Foundation, “é que os estudantes se interessem em ganhar o prêmio e assim pesquisem sobre o estigma para escrever a redação. Ao fazer isso nós estaremos educando muitos jovens e com sorte, mudando sua percepção sobre doença mental”.

As redações serão julgadas por um grupo de autores que escrevem sobre transtorno bipolar e doença mental.

O vencedor será anunciado em maio, mês da Saúde Mental. 

Estudantes de todo o mundo estão convidados a participar!

Para mais informações sobre a International Bipolar Foundation ou para receber as regras da redação e o formulário de inscrição, clique em: http://ibpf.org/2014-essay-contest  

Participe e ganhe US$500!  (aproximadamente R$1.170,00)

CONCURSO DE REDAÇÃO 2014

4o Concurso internacional de Redação para estudantes do Ensino Médio

Prêmios

1o Lugar – US$500

2o Lugar – US$100

Escolha um dos três temas:

  • Como a doença mental é encarada na cidade onde você mora, cultural e socialmente?
  • Como você pode ajudar um amigo ou alguém de sua família que tenha Transtorno Bipolar?
  • Como a mídia influencia o estigma contra o Transtorno Bipolar e outras doenças mentais?

Regras

  • O concurso é aberto a todos os estudantes do ensino médio
  • O trabalho deve ser original, conter no máximo 500 palavras e ser escrito em inglês usando fonte Times New Roman tamanho 12 e espaço duplo
  • O 1o e 2o lugares serão escolhidos por comitê de jurados
  • As redações se tornarão propriedade da International Bipolar Foudation
  • Internacional de Transtorno Bipolar e não serão devolvidas
  • Os participantes devem concordar e permitir que a International Bipolar Foundation publique a redação

Formulário de inscrição: http://ibpf.org/registration-form

Favor enviar a redação e o formulário de inscrição para: International Bipolar Foundation

8895 Towne Centre Drive, Suite 105-360 - San Diego, CA 92122 USA

Ou para o email ajacobs@ibpf.org até 25/04/2014  incluindo o seu nome, endereço, email e número de telefone.

Publicado em ABRATA, Notícias, PESQUISA | Tags , , , | Publicar um comentário

FORÇA PARA HOJE, ESPERANÇA PARA AMANHÃ!

WBD_PORTUGUES

O Transtorno Bipolar é uma doença mental que afeta cerca de 27 milhões de pessoas em todo o mundo. Ela representa um desafio significativo para os portadores, seus familiares, profissionais de saúde e a sociedade. (NIMH – National Institute of Mental Health – EUA)

Enquanto a crescente aceitação do transtorno bipolar como uma condição médica, como diabetes e doenças do coração, vem se estabelecendo em algumas partes do mundo, infelizmente, o estigma associado à doença crônica ainda é uma barreira à busca de cuidados e continua a impedir o diagnóstico e tratamento eficaz. Apesar do número alarmante de pessoas afetadas por doença mental, as estatísticas mostram que apenas um terço destes indivíduos procuram tratamento. De acordo com Dr. Thomas Insel, diretor do NIMH (National Institute of Mental Health – EUA, a psiquiatria é a única parte da medicina onde, realmente, o estigma é maior para quem recebe tratamento para estas doenças do que para quem as tem.

Neste cenário mundial, a ABRATA – Associação Brasileia de Familiares e Amigos e Portadores de Transtorno Afetivo, vem atuando nestes seus 14 anos de existência com a missão de educar sobre a natureza dos transtornos afetivos, apoiar os portadores de depressão e transtorno bipolar, seus familiares e amigos e busca reduzir o estigma em relação à essas doenças mentais. Observando estes princípios a ABRATA se uniu à inúmeras organizações internacionais para o lançamento, HOJE, 30 de março de 2014, do Dia Mundial do Transtorno Bipolar.

Neste ano de lançamento atuamos ativamente nas campanhas de divulgação da data alusiva à doença, tendo como objetivo atrair a atenção no país para o Transtorno Bipolar e consequentemente favorecer a redução do estigma social e e educar a sociedade brasileira, melhorando desta forma   aceitação da doença.

O desejo da ABRATA e de todas as demais organizações que se uniram nesta iniciativa é que a cada ano a campanha se fortaleça, mais associações, governos, portadores, familiares e profissionais da área de saúde se agreguem formando um força mundial para a redução do estigma social, do estigma familiar e do autoestigma à doença mental.  E ainda, essencialmente, que o mundo aceite e amplie o convívio, sem barreiras, com a pessoa portadora do Transtorno Bipolar e seus familiares.

Que todas as pessoas com doença mental tenham garantido o seu direito de acesso ao diagnóstico, tratamento com qualidade e medicação! 

LOGO TRADICIONAL

Publicado em Sem categoria | 8 Comentários

Viver (bem) com uma doença crônica

O belo poema foi escrito por uma pessoa portadora do Transtorno do Humor que o publicou em homenagem a data comemorativa do Dia Mundial do Transtorno Bipolar, atraves do site da International  Bipolar Foundation.

bipolar_front

O outro lado da mágoa é o curar-se. 
O outro lado da escuridão é uma nova visão.
O outro lado da provação é a vitória.
O outro lado do pesar é o crescer interior.
O outro lado da dor são as possibilidades.
O outro lado da perda é a experiência.
O outro lado das lesões é a sabedoria.
O outro lado da impotência é a força 
O outro lado das lágrimas é coragem 
O outro lado dos equívocos é a maturidade 
Nunca desista, e você nunca será derrotado. 
Não importa qual o desafio, 
Haverá sempre o outro lado. 

Cory Booker
(tradução livre de Flávio Mussa Tavares,)

WBD_PORTUGUES

Publicado em Sem categoria | 4 Comentários

Dia Mundial do Transtorno Bipolar – World Bipolar Day

WBD_PORTUGUES

Chamada a Ação 

O Dia Mundial do Transtorno Bipolar (WBD – World Bipolar Day) – uma iniciativa da Asian Network of Bipolar Disorder (ANBD), da International Bipolar Foundation (IBPF) e da International Society for Bipolar Disorders (ISBD) – será comemorado, anualmente, no dia 30 de março, aniversário do pintor Vincent Van Gogh, diagnosticado, postumamente, como provavelmente portador do transtorno bipolar.

A visão do Dia Mundial do Transtorno Bipolar (WBD – World Bipolar Day) é atrair a atenção mundial para o Transtorno Bipolar e eliminar o estigma social. Por meio da colaboração de organizações e associações internacionais, o objetivo do Dia Mundial do Transtorno Bipolar é levar à população mundial informação sobre o Transtorno Bipolar com a finalidade de educá-la e assim melhorar a aceitação da doença.

Cada uma das organizações e associações está incentivando seus membros, parceiros e afiliados a organizar eventos locais relacionados à esta data.

Exemplos de atividades para organizações e associações bem como para pessoas que individualmente desejem realizá-las, incluem sem se restringir somente a eles, os seguintes:

Organizações

• Usar seus canais de mídia social envolvendo a sua rede através do Facebook, Blog e Twitter.

• Website – Colocar a logomarca do Dia Mundial do Transtorno Bipolar (WBD) em seu site e postar um pequeno artigo sobre o Dia Mundial do Transtorno Bipolar.

• Produzir um vídeo sobre o impacto do Transtorno Bipolar em seu país e abrir um canal de comunicação através do qual as pessoas possam informar suas necessidades na condição de portadores, familiares e amigos de portadores, as quais serão levadas às instituições e autoridades governamentais com o objetivo de obter soluções.

• Organizar um seminário virtual que possa ser acessado ao vivo em homenagem ao Dia Mundial do Transtorno Bipolar (WBD – World Bipolar Day), com especialistas fornecendo atualizações e informações sobre o transtorno bipolar.

• Organizar um evento com grupos locais de apoio à portadores, familiares e amigos de portadores para divulgar informações sobre o Dia Mundial do Transtorno Bipolar (WBD – World Bipolar Day).

• Promover a divulgação de um artigo em seu jornal local/nacional.

• Distribuir folhetos sobre o Dia Mundial de Transtorno Bipolar (WBD- World Bipolar Day) em sua comunidade, especialmente em hospitais e centros clínicos e redes de saúde mental, como o CAPS (Centro de Atenção Psicossocial).

• Organizar um evento educacional para os portadores, familiares e público em geral.

• Coletar mensagens personalizadas (depoimentos) em homenagem ao Dia Mundial de Transtorno Bipolar (WBD – World Bipolar Day) e apresentá-los no site da sua organização.

Indivíduos

• Organizar um almoço ou um pequeno evento em seu local de trabalho e apresentar informações sobre o transtorno bipolar.

• Participar de programas nas rádios locais para fornecer informações educativas sobre o transtorno bipolar.

• Divulgar como seguir e curtir o Dia Mundial de Transtorno Bipolar (WBD) no Facebook (www.facebook.com/worldbipolarday).

• Adicionar em sua assinatura de e-mail a logomarca do Dia Mundial do Transtorno Bipolar (WBD – World Bipolar Day).

• Partilhar a sua mensagem de esperança na página do WBD no Facebook (www.facebook.com/worldbipolarday).

• Tuitar sobre Dia Mundial de Transtorno Bipolar (WBD – World Bipolar Day) usando o handle @WorldBipolarDay

À medida que a data – 30 de março – se aproxima encorajamos cada organização, associação, grupo de apoio e pessoas individualmente a organizar e divulgar os eventos locais, que poderão ser compartilhados com o mundo através de postagens realizadas na página WBD do Facebook (www.facebook.com/worldbipolarday). Além disso, a International Society for Bipolar Disorders (ISBD) hospedará os anúncios em uma seção especial do site dedicada ao Dia Mundial do Transtorno Bipolar (WBD – World Bipolar Day).

A página WBD – World Bipolar Day, receberá comunicados da imprensa sobre esses eventos, bem como fornecerá um espaço para postar fotos, estórias pessoais e compartilhar ideias com outras pessoas que partilham a visão do Dia Mundial do Transtorno Bipolar (WBD).

WBD NOVA LOGO

Para mais informações sobre Dia Mundial do Transtorno Bipolar (WBD – World Bipolar Day), ou para quaisquer perguntas, comentários ou anúncio de eventos, entre em contato com Jill Olds (jillo@isbd.org), ou com a ABRATA, em web@abrata.org.br.

 

Publicado em Sem categoria | Publicar um comentário

Consciência Através Dos Olhos De Van Gogh

 

VAN GOGH

Todos nós sabemos da importância da conscientização sobre a saúde mental, e fazer a nossa parte para reduzir o estigma que ainda envolve os distúrbios como a bipolaridade. Dia 30 de março, escolhido para ser Dia Mundial do Transtorno Bipolar, também é o aniversário de Van Gogh, que é um conhecido artista impressionista holandês. Porque o dia do seu aniversário é o mesmo dia que elegemos para ser o dia do Transtorno Bipolar? Sabe-se que ele também tinha transtorno bipolar.

WBD_PORTUGUES

Eu venho de uma longa jornada pessoal com uma bipolar, mas a bipolaridade ainda é parte de quem eu sou, mesmo que eu esteja estável. É por isso que acho que é tão importante continuar a falar e fazer todo o possível para remover o estigma social que ainda cerca a doença mental.

Antes de setembro de 2010, eu tinha apenas ouvido falar vagamente sobre Van Gogh. Foi então, ao atender à faculdade, decidi dar uma aula de arte, e foi aí que eu aprendi sobre este homem brilhante e artista plástico. Ele era um homem humilde, um homem que viu muita beleza neste mundo, mais do que qualquer pessoa. Para o nosso trabalho, foi necessário fazer uma pesquisa sobre um artista, escrever, fazer uma apresentação oral e criar a nossa própria obra de arte, incorporando o estilo do artista em nosso desenho. Então, escolhi Van Gogh. Eu amei sua arte e as suas cores e quando descobri que ele também sofreu com o transtorno bipolar, senti uma conexão pessoal com ele.

Sua arte era desconhecida durante a sua vida. Foi só depois de sua trágica morte, aos 37 anos, que o mundo veio conhecer a sua obra, e o quanto ele realmente era incrível. Que beleza ele retratou! Sua paixão pela arte era evidente em cada peça que pintou; cada peça mostrou como o seu trabalho era fascinante e a sua mente brilhante. Ele amava usar as cores vibrantes, pintou da forma que gostaria de ver o mundo. Fez ver a beleza na criação de Deus, mas foi difícil para ele ver a beleza em sua vida, porque sua vida estava envolta em uma escuridão, um profundo desespero. Ele queria ver o seu futuro através dessas cores, não a dor em sua mente. Ele era apaixonado pelo que fez. Pintou com forte e crua emoção. Encontrou a sua libertação através do seu amor em colocar o seu pincel na tela.

Mesmo em meio a loucura da sua mente, a sua pintura revela uma história diferente. Uma história de serenidade e beleza, ao contrário de qualquer outro artista. Somente pouco antes de sua morte, que as suas pinturas começaram a mostrar uma outra história.  É tão verdade quando dizem que uma pintura pode expressar mais que mil palavras, sem qualquer palavra falada, sua obra retratou um homem que estava desesperadamente à procura de algo para agarrar. Ele tinha um jeito próprio com o papel e o pincel para dar vida a tudo o que pintou. Enquanto as pinturas no final de sua vida expressam profunda tristeza por trás daqueles olhos, ele ainda tinham uma maneira de mostrar o seu desejo de regressar ao seu anterior momento estável.

Quero trazer à luz para a sua vida, compartilhar porque eu escolhi essa tema para a aula de arte e por isso é que eu senti a necessidade de escrever no meu blog sobre este artista brilhante. Ele era como nós, embora nossa jornada seja diferente, nós lutamos a mesma guerra interior em nossas mentes. Quero compartilhar um exemplo de sua vida, mas de uma maneira diferente, que você pode realmente ver o meu ponto de vista e o que eu estou tentando passar.

Num programa de TV foi apresentado o episódio “Vincent e o médico”, o foco era Van Gogh. Eu achei incrível que um programa de TV e os produtores poderiam fazer um episódio sobre este homem brilhante e também a forma de como eles retrataram a saúde mental sem estigmatizar, foi maravilhoso! A vida de Van Gogh teve um fim trágico quando ele tirou a própria vida em idade produtiva, aos 37 anos. No programa foram mostrando a diferença entre a genialidade e a saúde mental. O médico e seu companheiro viajaram para fora do seu tempo, para a época de Van Gogh, para tentar convencê-lo de não acabar com sua vida.  Lhe mostrar que a sua vida era importante, que ele realizou mais do que jamais pensamos que fosse possível, que ele era agora um dos melhores ou o melhor artista de todos os tempos. Eles o trouxeram de volta ao presente, para que ele pudesse ver a sua obra exibida em todos os museus. Ele deixou um legado incrível, mas não viveu para vê-lo, infelizmente, na época, a pesquisa para a saúde mental não era como ela é hoje. Quando eles viajaram de volta na esperança de que desta vez seria diferente, eles descobriram, que Van Gogh ainda pensava em terminar a sua vida.

O companheiro e médico tentaram convencer sua mente em torno da decisão. Como poderia, um homem, que tinha um talento e tanto para oferecer ao mundo, desistir de suas esperanças e dos seus sonhos? No entanto, infelizmente esta é a realidade que muitos enfrentam na vida real de hoje, que estão sofrendo em silêncio, que têm essas mentes brilhantes e muito a oferecer neste mundo, mas ainda não pode vê-la por si mesmos. Muitas vezes incapazes de obter a ajuda que necessitam, por isso a conscientização é tão vitalmente importante.

O mundo veio a conhecer este artista brilhante. E através do tempos percorremos um longo caminho, mas a pesquisa em saúde mental, ainda era tão distante. Para um programa produzir um episódio de uma pessoa que tem a doença mental de uma forma tão carinhosa, mostra que estamos fazendo progressos na sensibilização e desejo de que o estigma fique fora. Assim, como nós celebramos o aniversário de Van Gogh, não vamos apenas focar em seu trágico fim, mas o foco sobre o tipo de homem que ele era.

Lembre-se que temos presentes para oferecer neste mundo, você é brilhante em sua própria maneira bonita, não deixe que qualquer diagnóstico ou alguém tirar isso de você. A vida de Van Gogh nos mostra que podemos levar a nossa dor e transcendê-la em algo bonito, ele tinha um jeito de pintar emoções, visto que não conseguia encontrar as palavras para falar.

Então eu lhe pergunto como você, fora da doença, está tratando o estigma? Você está compartilhando a sua história?

Não se esconda atrás de sua dor, seja parte da mudança para apagar o estigma social de uma vez por todas.

Fonte: : http://ibpf.org/blog/awareness-through-eyes-van-gogh#sthash.dutMSUJF.dpuf

Publicado em apoio ao tratamento, Bipolar, Depressão, suicídio, Transtornos do Humor - Conceitos | Tags , , , | Publicar um comentário

Dia Mundial do Transtorno Bipolar

 

WBD_PORTUGUES

No dia 30 de março de 2014, será lançado o ano inaugural do Dia Mundial do Transtorno Bipolar (WBD – World Bipolar Day). Esta data é o dia do nascimento do pintor Vincent Van Gogh, que foi postumamente diagnosticado como sendo, provavelmente, portador do transtorno bipolar.

A visão do Dia Mundial do Transtorno Bipolar é de atrair a atenção mundial para os transtornos bipolares e eliminar o estigma social.

O objetivo do Dia Mundial do Transtorno Bipolar (WBD – World Bipolar Day), por meio da colaboração internacional, é levar mais informação a população mundial acerca dos transtornos bipolares para educar e melhorar a sensibilidade em relação a doença.

No Brasil, a ABRATA apoia essa iniciativa de abrangência mundial e encoraja a cada um de vocês, voluntários, portadores, familiares e profissionais da saúde, a apoiar, divulgar e compartilhar as informações sobre este dia.

Fonte: ABRATA

Publicado em Sem categoria | Publicar um comentário

Depressão e Autenticidade

gravidez1

Um estudo publicado no “Journal of Clinical Psychology” afirma que em torno de 20% das mães terão um episódio depressivo nos primeiros três meses após o parto, sendo que 7,1% terão um episódio grave. Ou seja, uma em cada cinco mulheres passará por depressão ao tornar-se mãe.

Esse número extremamente alto deveria nos levar a perguntar sobre o tipo de fenômeno que tal sofrimento psíquico expressa. Talvez exista algo nesses episódios depressivos que diga muito a respeito não apenas de situações patológicas específicas, mas da experiência social da maternidade enquanto tal, principalmente em nossa época.

Ao menos desde sociólogos como Max Weber e Émile Durkheim, tendemos a nos ver como sujeitos de sociedades nas quais a autoridade tradicional, com seus modelos tipificados de comportamento e julgamento, sofre processo contínuo de erosão.

A radicalização desse movimento teria levado sujeitos a se sentirem em situações extremamente angustiantes quando precisam assumir papéis nos quais novos afetos aparecem. Como a transmissão tipificada de modelos é questionada, uma mulher não sabe se deve repetir o padrão de maternidade que encontrou em sua própria mãe, nem sabe até que ponto deve acreditar no discurso impessoal de especialistas.

Talvez, no entanto, tal questionamento sobre as normas a seguir seja vivenciado de maneira depressiva porque nosso imaginário social de maternidade não prepara as mulheres para situações nas quais ela descobrirá afetos contraditórios que a acompanharão para sempre. Situações em que ela precisará cuidar de uma criança cujo desejo ela nunca compreende-rá completamente.

Em um contexto social submetido à tradição, você sabe o que deve fazer e age independentemente do seu sentimento do momento. Há um preço a pagar por isso, pois é permitido agir sem autenticidade. Mas, em um contexto de erosão das autoridades tradicionais, o discurso social dirá o seguinte (e isso pode ser tão violento quanto submeter-se à tradição): “Principalmente, siga seus sentimentos com autenticidade e você será uma mãe suficientemente boa”.

clinical-depression

Como somos cada vez menos preparados a lidar com sentimentos ambíguos e ambivalentes, a sensação depressiva de que nunca uma mulher será uma mãe suficientemente boa sobe à cena.

Nesse sentido, talvez não levaríamos tantas mães à depressão se entendêssemos como a exigência social de autenticidade pode se transformar em uma forma de submissão a uma imagem inatingível, que só terá por função desqualificar a maneira concreta como lidamos com o que não sabemos como lidar.

Autor: VLADIMIR SAFATLE – escreve às terças-feiras na coluna Opinião do Jornal A Folha De S. Paulo.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/124949-depressao-e-autenticidade.shtml

Publicado em Depressão, Família, Saúde Mental da Mulher | Tags , | Publicar um comentário

DIA MUNDIAL DO TRANSTORNO BIPOLAR

WBD_PORTUGUES

No dia 30 de março de 2014, será lançado o ano inaugural do Dia Mundial do Transtorno Bipolar (WBD – Word Bipolar Day). Esta data é o dia do nascimento do pintor Vincent Van Gogh, que foi postumamente diagnosticado como sendo, provavelmente, portador de transtorno bipolar.

A visão do Dia Mundial do Transtorno Bipolar - (WBD – Word Bipola Day) é atrair a atenção mundial para o Transtorno Bipolar e eliminar o estigma social. Por meio da colaboração de organizações e associações internacionais, o objetivo do Dia Mundial do Transtorno Bipolar é levar à população mundial informação sobre o Transtorno Bipolar com a finalidade de educá-la e assim melhorar a aceitação da doença.

No Brasil a ABRATA apoia essa iniciativa de abrangência mundial e encoraja a cada um de vocês, voluntários, portadores e familiares, a apoiar, divulgar e compartilhar as informações sobre este dia.

 

 

Publicado em Sem categoria | 1 Comentário

Depressão em Homens e Mulheres

Este artigo apresenta a discussão acerca de como a depressão manifesta-se de forma diferente para homens e mulheres. Estar ciente das diferenças é importante para que a doença seja reconhecida e para obter a ajuda adequada. “Embora os sintomas usados para diagnosticar a depressão são os mesmos, independentemente do sexo, muitas vezes, a queixa principal pode ser diferente entre homens e mulheres“, diz Ian A. Cook, MD, professor de psiquiatria da Universidade da Califórnia – Los Angeles.

depressao homem

Depressão em Homens: Nos homens, a depressão é negligenciada porque às vezes, eles pensam que isso é um sinal de fraqueza. Os homens negam a depressão, porque geralmente acreditam que precisam ser fortes e estar no controle das suas emoções. E culturalmente, expressar emoções pode ser considerado um traço feminino. Depressão em homens também pode ser atribuída a expectativas culturais. Os homens devem ser bem sucedidos ou ter o controle sobre as suas emoções. Essas expectativas culturais podem encobrir a verdadeira depressão. Depressão em homens às vezes é  deixada de lado, porque eles geralmente não falam sobre seus sentimentos. Em vez disso, eles falam sobre os sintomas físicos que acompanham a depressão, tais como: fadiga, dor ou dificuldade de concentração. Estes comportamentos conduzem ao quadro da depressão, que não sendo tratada levará a consequências negativas, tais como o suicídio.

Os homens podem sofrer de depressão de formas diferentes das mulheres. O homem tornar-se irritado, agressivo, bebem mais do que o habitual, ou evidenciam excesso de trabalho. E, ainda podem negar os seus sentimentos e procuram escondê-los dos outros.

Existem três sinais comuns de depressão em homens:

Dor: dores nas costas, dores de cabeça, alteração do sono que podem não responder ao tratamento normal.

Raiva: irritabilidade, perda de humor, raiva do dia a dia, apresentar pavio curto, ou agressão. Também pode levar aos comportamentos abusivos com a companheira ou se tornar controlador.

Comportamento imprudente: Envolver-se em atividades de risco, como dirigir rápido demais, ter relações sexuais desprotegidas, abuso de drogas ou jogos de azar.

Não há uma causa única para a depressão nos homens. Mudanças de estilo de vida, estresse, causas biológicas e psicológicas, falta de apoio social, qualquer coisa que os fazem se sentirem inúteis, sozinhos, ou sem esperança, poderá desencadear a depressão.

Tratamento da depressão em homens:

Não tente ser resistente a depressão e cuidar-se por conta própria. Procure ajuda como a psicoterapia e medicação. Você também pode fazer mudanças de estilo de vida tais como se exercitar, comer bem, construção de uma rede social, aderir a um grupo de apoio, e reduzir o estresse.

Não há um tratamento único para a depressão. O que funciona para uma pessoa pode não funcionar para outra e nenhum único tratamento é apropriado em todos os casos. A melhor abordagem consiste em:

Apoio: falar com alguém sobre o que você sente pode ser de grande ajuda. Ter um forte sistema de apoio pode acelerar e facilitar a recuperação. Estenda a mão para os outros, porque ficar sozinho o estado depressivo pode piorar.

Mudanças de estilo de vida: praticar hábitos como exercícios, alimentação saudável, aprender a gerenciar o estresse, técnicas de relaxamento e pensamentos positivos e desafiadores ajudam a aliviar a depressão.

Equilibrar as emoções: aprender a reconhecer o estresse e expressar seus sentimentos e emoções poderá torná-lo uma pessoa mais resistente.

Ajuda profissional: a psicoterapia e apoio médico contribuem para a recuperação. A psicoterapia oferecerá ferramentas para tratar a depressão na promoção do desenvolvimento de habilidades preventivas para a recaída.

53BB9D4BF4C9EE858D708E40FCE2C6

Depressão em mulheres: As causas da depressão e sintomas do sexo feminino são diferentes dos homens. Há uma série de teorias que explicam por que as mulheres têm maior incidência de depressão, tais como alterações biológicas, alterações hormonais e causas psicológicas:

Tensão pré-menstrual: Hormônios alteram durante o ciclo menstrual e muitas vezes causando a tensão pré-menstrual (TPM). Para algumas mulheres, os sintomas são leves, mas para outras são suficientemente grave que causam o rompimento da rotina em suas vidas.

Gravidez: alterações hormonais que ocorrem durante a gravidez podem contribuir para a depressão, especialmente se você já está no grupo de alto risco.

Depressão pós-parto: Esta é uma reação normal que desaparece dentro de algumas semanas, mas para algumas mulheres poderá ser grave e durar um longo tempo. As alterações hormonais também às vezes constitui um dos fatores para esse quadro.

Problemas de saúde: doenças crônicas poderão levar à depressão.

Os sentimentos negativos: As mulheres apresentam tendência a interiorização e à ruminazação, quando estão deprimidas, o que torna a depressão pior. Os homens tendem a distrair-se o facilitando a redução da depressão.

Estresse esmagador: As mulheres tendem a desenvolver depressão do estresse e produzem mais hormônios de estresse do que os homens.

Abaixo está uma tabela que mostra as diferenças da depressão entre homens e mulheres:

Diferenças entre depressão masculina e feminina

As mulheres tendem a:  Os homens tendem a:
Culpar-se Culpa os outros
Sente-se triste, apática e sem valor Sente-se zangado, irritado, e ego inflado
Sente-se ansiosa e com medo Sente-se vigiado e controlado
Evita conflitos a todo custo Cria conflitos
Sente-se mais lenta e irritada Sente-se inquieto e agitado
Têm dificuldades para estabelecer limites Precisa se sentir no controle a todo custo
Procurar falar sobre suas dúvidas e desespero Procura não falar, pois é sinal de fraqueza, admitir a dúvida ou desespero
Procurar alimentar-se dos contatos com amigos, e do “amor”, sem auto medicação Usa álcool, fixa-se na televisão, prática de esportes e sexo, lança mão da auto medicação

*Fonte: Male Menopause |Jed Diamond

Tratamento da depressão

A depressão é uma doença e é tratável. A meta para a recuperação é começar aos poucos, conduzindo um dia de cada vez. Sentir-se melhor, leva tempo.  Mas você começará a sentir-se melhor, fazendo escolhas positivas para si mesmo. Falar com alguém, buscar ajuda e ter um sistema de apoio efetivo, também é essencial no tratamento da depressão.

Não negue os seus sentimentos ou sintomas. É importante ouvir o que você sente e receber o tratamento adequado para a sua recuperação!

Autora: Helen Nieves| Psicóloga| membro da American Counseling Association.

Fontes: DBSA - http://www.dbsalliance.org/ e http://blogs.psychcentral.com/mental-health-awareness/2014/02/depression-in-men-and-women/

Publicado em apoio ao tratamento, Depressão, Saúde Mental da Mulher | Tags , , | 4 Comentários

Passei quase um mês trancada em casa chorando e dormindo”, diz estudante que sofre de depressão

De acordo com especialistas, remédios e terapia são essenciais ao tratamento da doença

Eloisa sofre de depressão desde os 15 anos | Arquivo Pessoal

Eloisa sofre de depressão desde os 15 anos | Arquivo Pessoal

Não foi apenas uma vez que Eloisa Matthiesen, de 19 anos de idade, teve crises de choro, “falta de vontade para fazer as coisas”, atitudes agressivas contra os pais e seus amigos ou excesso de ansiedade. Há quatro anos, ela luta contra um fantasma da sua vida: a depressão. Assim como a estudante de engenharia elétrica, cerca de 8% da população brasileira sofre com esta doença e 15% das pessoas sofrerão deste mal em algum momento da vida, de acordo com dados da Associação Brasileira de Psiquiatria.

Foi aos 15 anos de idade que Eloisa descobriu que havia algo errado. Segundo a estudante, na época, ela não sentia vontade de “socializar com ninguém” e “chorava sem saber” os motivos.

Minha mãe tentava me levar para comprar roupas, fazia de tudo para me ajudar, mas não adiantava. Ela acabou chamando um médico da família que me deu remédios antidepressivos. No meu caso, tenho este problema porque tenho baixa autoestima. Sempre fui gordinha e achava que as pessoas se aproximavam de mim por falsidade. Então, eu era agressiva com todo mundo. Passava maior parte do tempo no quarto e não falava com ninguém.

Para o psiquiatra Kalil Duailibi, da Associação Brasileira de Psiquiatria, pode-se se dizer que a pessoa está em depressão quando ela “perde o interesse e prazer nas coisas e humor fica deprimido”.

— O interesse da pessoa fica diminuído. Tudo fica mais difícil. Ela deixa de fazer atividade física, de fazer as coisas que gosta.  Há desde quadros mais leves, em que a pessoa fica mais em casa, não sai com os amigos, até situações mais graves em a pessoa acha que a vida não vale a pena.

Tratamento e volta por cima

Apesar de tomar remédio antidepressivo, Eloisa relembra que em 2011, em uma de suas fortes crises, ela passou quase um mês sem sair de casa.

Eu só dormia e chorava. Acordava e chorava. Dormia, acordava e chorava de novo. Em fevereiro deste ano também tive outra crise em que quase virou uma de pânico. Eu voltava da faculdade e não queria fazer nada. Parei de ir ao psicólogo e tudo mais. Foi então que meus pais resolveram me mudar de psiquiatra e agora conseguiu controlar.

Duailibi explica que há classes de remédios contra a depressão e as escolhas são feitas de acordo com cada paciente. Segundo ele, é necessário verificar se a pessoa perdeu peso ou não, quais sintomas que ela tem. O tratamento demora de duas a três semanas para dar “uma boa resposta” e tem que ser prolongado e não pode ser interrompido.

— É necessário mudar também os hábitos de vida. Fazer atividades físicas pelo menos quatro vezes por semana. Além disso, investir na psicoterapia ajuda a entender o que se passa na vida dela e ela descobre como desarmar os gatilhos. Alimentação saudável ajuda a prevenir a depressão, como peixes, atum e sardinha, além de frutas vermelhas pequenas, como cerejas, framboesa e amora. Esses alimentos têm substância chamada de antocianina que protege os neurônios.

Importância da terapia

Para o psicanalista e professor da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), Claudio Cesar Montoto, a terapia é essencial no tratamento de depressão para que a pessoa “possa se defrontar com as suas questões mais fundamentais”.

— A terapia não é indicada para quem está louco e sim para que não se enlouqueça. O indivíduo pode passar a vida toda, até morrer sem nunca ter mexido em nenhuma questão fundamental  a respeito de como lidar com si mesmo e com o outro. Isso não significa que houve uma evolução emocional. Pode se lidar com o outro, aos 70 anos de idade, do mesmo jeito que se lidava quando se tinha 11 anos de idade. No entanto, fazer análise, por exemplo, significa ter que aceitar o desafio de mergulhar no mais profundo do ser para se defrontar com o que há de melhor e de pior em nós mesmos.

Montoto ainda explica que  a melhora dependerá “do percurso que o sujeito fará para lidar com a depressão”.

— Sofrimento sempre fará parte da existência humana, a diferença estará em como lidar com esse sofrimento.

Fonte: http://noticias.r7.com/saude/passei-quase-um-mes-trancada-em-casa-chorando-e-dormindo-diz-estudante-que-sofre-de-depressao-16052013 |Vanessa Sulina, do R7

Publicado em Sem categoria | 2 Comentários